quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Senhora da Nazaré - A História e a Lenda de mãos dadas


Na manhã de 14 de Setembro de 1182, (dia da Exaltação da Santa Cruz), D. Fuas Roupinho, alcaide Mor do Castelo de Porto de Mós, caçava nas suas terras quando , avistando um veado, começou a persegui-lo seguindo pelos seus companheiros na caçada.




Durante a perseguição, o veado dirigui-se para o litural em direcção a uma falésia no Sítio da Nazaré. De súbito, ficou tudo encoberto por um denso nevoeiro que se levantava do mar.


Quando o cavaleiro se apercebeu que estava no topo da falésia, prestes a cair no abismo, reconheceu o local. Estava mesmo ao lado da gruta onde ia vezes amíude orar a uma pequena imagem de Nossa Senhora com o Menino que ai se tinha encontrado e, num grito de desespero, rogou à Virge Maria: « Senhora, Valei-me!»




Imediata e milagrosamente o cavalo estacou ficando a patas no bico rochoso suspenso sobre o vazio, o Bico do Milagre, salvando-se assim o cavaleiro e a sua montada de morte certa, enquanto o veado se precipitava até ao oceano, cem metros mais abaixo.




Após ter descido à gruta para agradecer o milagre, o cavaleiro mandou erigir sobre a gruta, uma pequena capela, a Capela da Memória, para ali ser exposta à veneraçãodos fiéis a milagrosa imagem. Quando os trabalhadores desfizeram o altar ali existente, encontraram um cofre em marfim, contendo algumas reliquias e um pregaminho no qual se relatava a história da pequena imagem esculpida em madeira, representando uma Virgem Morena sentada a amamentar o Menino ( Virgem do Leite).




Segundo o pregaminho, a virgem teria vindo da Palestina, esculpida por S. José, pintada por S. Lucas e venerada desde os primeiros tempos do cristianismo em Nazaré na Galileia, tendo sido salva dos movimentos iconoclastas ( destruidores de imagens sacras) do sec. IV pelo monge grego Ciríaco, que a colocou sob a protecção de S. Jerónimo sendo por este aconselhado a levar a imagem para África a fim de a entregar a Sto. Agostinho. Este ofereceu-a ao mosteiro de Cauliniana, perto de Mérida, onde permaneceu até 711, ano da batalha de Guadalete, na qual, depois de terem sido derrotadas pelos muçulmanos, as forças cristãs fugiram para norte. A Sagrada Imagem bem como o cofre com as relíquias de S. Brás e S. Bartolomeu, foi então trazida por Frei Romano, monge da Cauliniana, e por D. Rodrigo, o último Rei Visigodo, para o Litorar Atlântico, chegado ao local onde é hoje a Pederneira no dia 22 de Novembro do ano de 714.


Como D. Rodrigo manifestasse desejo de ficar sozinho, Frei Romano ecolheu uma espécie de ermida natural entre duas rochas para ai colocar o cofre e a Venerável Imagem, local onde, desde essa época, permanece no mesmo sítio ( de Nossa Senhora) da Nazaré.


Diz-se que D. Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal e grande devoto da Virgem Maria, teria vindo ao Sítio da Nazaré para agradecer à Senhora as graças concedidas e para lhe consagrar o Reino de Portugal que estão despontara.




Em 1377, o Rei D. Fernando ( 1367-1383), devido à signifiativa aflûencia de peregrinos, mandou construir uma igreja, perto da capela, para onde foi trasferida a imagem de Nossa Senhora da Nazaré. A popularidade dessa devoção, à época dos Descobrimentos portugueses, era tamanha entres as gentes do mar que quando Vasco da Gama, antes e depois da sua primeira viagem à India, quando Pedro Álvares Cabral, que viria a descobrir o Brasil, vieram em peregrinação à Senhora da Nazaré.




Na mesma época a Rainha D. Leonor de Austria, terceira mulher do Rei D. Manuel I, irmã do imperador Carlos V, permaneceu no Sítio da Nazaré alguns dias, em 1520 num palácio de madeira especialmente comcebido para a ocasião. Alguns anos depois S. Francisco Xavier, o Apóstolo do Oriente, veio em peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Nazaré antes de partir para Goa.




O três séculos seguintes, ( XVII, XVIII e XIX), foram de grande expanção para o culto de Nossa Senhora da Nazaré, tanto no sei santuário, como em Portugal e no "mundo Portugues" da época, onde ainda hoje se veneram algumas réplicas da verdadeira Imagem.




No inicio do sec. XVII, o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré fundado por D. Fernando começou a ser reconstruido e aumentado, tendo as obras sido prolongadas por várias empreitadas até finais do sec. XIX.




Hoje, a tradição aponta aos visitantes a marca deixada por uma das patas do cavalo de D. Fuas Roupinho na ponda do Bico do Milagre, ao lado da Capela da Memória no Sítio da Nazaré.






2 comentários:

João Cadete disse...

Cá estou eu para comentar o teu blog :) agora espero um comment ao meu lol...

Continua assim!

Um abraço:)

Sel disse...

Gostei muito do seu blog! A história de N. Sra. da Nazaré é linda!! Aqui no Brasil temos uma devoção muito antiga a N. Sra. de Nazaré (q em minha paróquia é Nazareth, com "th")... Visite nosso Blog para conhecer melhor:

http://pnsranazareth.blogspot.com/2009/09/fotos-dia-08-de-setembro-dia-da.html

http://pnsranazareth.blogspot.com/2009/08/festa-de-nossa-senhora-de-nazareth-2009.html

Fique com Deus!
Um Abraço